<body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6326137058209702444\x26blogName\x3dRevista+Picabu\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dBLUE\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://bestiariopicabu.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://bestiariopicabu.blogspot.com/\x26vt\x3d7490155266839306279', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

Umbigo @ 16:37

Texto publicado por Érico Assis, no site Omelete:

Quadrinista Dash Shaw encanta-se com HQs alternativas brasileiras em visita ao país

Autor de Umbigo Sem Fundo foi às compras - e conta em site o que conheceu por aqui.

O quadrinista norte-americano Dash Shaw, autor de Umbigo Sem Fundo, esteve no Brasil para bate-papos e sessões de autógrafos de seu livro no Rio de Janeiro e em São Paulo. E voltou maravilhado.

Em duas postagens no blog Comics Comics – revista online em que quadrinistas e críticos escrevem sobre HQs -, Shaw mostrou fotos e comentou o que descobriu de interessante no Brasil em termos de quadrinhos. Como já é seu interesse na terra natal, ele foi direto atrás de publicações independentes – mesmo que não entenda um pingo de português.

Pelo que mostra em fotos, Shaw buscou tanto raridades quanto material recente. Mostra com orgulho a capa da antologia Boca, de 1979, em que Snoopy é ameaçado de morte e a história interna em que os personagens Disney ganham versões deturpadas no mundo real. Outras antologias antigas que ele desencavou são Capa e Garatuja, da década de 80, e Glória Glória Aleluia, dos anos 90 (com os primeiros trabalhos de Allan Sieber, que Shaw destaca).

De material recente, Shaw faz questão de mostrar o álbum Saino a Percurá do mineiro Lélis, mais as antologias Samba e Picabu.

Quanto aos quadrinistas que encontrou por aqui, ele passou a maior parte do tempo com os gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá (que o acompanharam nas sessões no Rio e em São Paulo) e ainda teve oportunidade de conversar com Rafael Grampá e Lourenço Mutarelli.

Sobre a Bienal do Livro, que chama de “Rio de Janeiro Book Fair”: “Não consigo encontrar um bom equivalente americano para essa feira do livro. É tipo a San Diego Comic-Con, mas só de livros e com pessoas ‘normais’ (muitas famílias).”

Para conferir os textos e as fotos de Shaw, acesse comicscomicsmag.blogspot.com.



quarta-feira, 9 de setembro de 2009

HqMix @ 19:25


quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Picabu # 4 @ 17:41

Review escrito por Wilson Costa, colaborador do Meia Palavra

A começar pelo índice, que faz lembrar o final do conto Ligéia, de Edgar Alan Poe, criatividade parece ter sido a palavra-chave na elaboração da hq Picabu. E hq aqui, como os próprios criadores fazem questão de colocar na capa, não significa história em quadrinhos, mas história em quadros. Uma definição justa, visto que a revista definitivamente não foi feita para crianças.

"Tudo começa quando você agrega infinitos elementos intercomunicantes em busca da irrealidade paradoxal do mundo. Depois disso, o tortuoso caminho vai parecer não ter sentido algum. Haverá alienação e impossibilidade de retorno. Nesse momento ocorrerão N reinvenções, e o mundo real, amortecido pelo hábito, aparece.

O grupo Bestiário é formado por Moacir Martins, Rafael Sica, Rodrigo Rosa, Leandro da Silva Adriano, Nik Neves, Carlos Ferreira e Fabiano Gummo. Utilizando o substrato individual somado à retroalimentação criativa, o coletivo pactua referências fusionando estilo."

Com esse texto de introdução (precedido por um outro escrito de trás para frente, o qual não colocarei aqui), tem-se início a Picabu #4, coletânea de 12 histórias curtas onde predomina a total liberdade de forma e conteúdo por parte de seus autores, com temas tão diversos quanto o sentido inconsciente da fala humana e o puro erotismo.

Algumas das melhores histórias (Hiato, de Rafael Sica, e Ondas, de Carlos Ferreira) dispensam diálogos ou narração e apelam para o puro surrealismo para buscar um significado mais profundo. Impregnadas pelo preto e branco (como todas as demais), as duas histórias buscam retratar a solidão, seja nas relações humanas ou no afogamento de um homem. Outras histórias, ainda que sejam mais convencionais em seu formato, são também tão interessantes quanto: como Telencefalos, de Leandro Adriano e Carlos Ferreira, que com uma arte que lembra a dos mangás japoneses, conta uma história sombria que mistura medicina e cinema; ou Escândalo, de Rodrigo Rosa, que denuncia o circo exibicionista da televisão e do mundo das celebridades, bem como a alienação de seus espectadores; e A contagem, de Guraci Fraga e Rodrigo Rosa, um exemplo perfeito do humor negro. Todas as histórias contidas na revista merecem ser lidas mais de uma vez. Seja em busca de algum significado perdido, ou apenas para apreciar a arte, que varia do lúdico ao macabro, do extremo detalhismo à simplicidade, da luz à escuridão, da crítica à insanidade. Basta uma das histórias da revista para que ela já valha à pena: Vostok, de Fabiano Gummo, inspirada em Kafka de certa maneira, e que em apenas duas páginas deixa o leitor com o peito apertado.

Ler a Picabu me fez pensar nas semelhanças entre os quadrinhos e o cinema, como o uso das imagens como princípio básico da narrativa, e também na diferença inerente entre os dois, pelo menos nos padrões atuais, que é o silêncio. Talvez seus autores tenham buscado inspiração no cinema mudo, ou no expressionismo alemão que mais tarde veio dar origem ao noir, ou talvez essa confluência tenha nascido de seu inconsciente coletivo, mas eles souberam aproveitar dela muito bem. Souberam fazer da falta de cores e de som o palco ideal para contarem suas histórias. Mais que uma bela experiência imersiva, Picabu #4 serve para deixar o leitor com um gosto de quero mais, esperando ansiosamente pela #5.

Revista Picabu

Seguindo a tradição brasileira segundo a qual TUDO pode (e deve) ser corrompido, a revista Peek-a-boo passou a se chamar PICABU. Na verdade, a revista atingiu sua 4ª edição - depois de um hiato de 17 anos - mantendo o molde libertário e a fidelidade pelo improviso.

Flertando com a dualidade CORPO x REALIDADE, a palavra mágica escolhida para despertar a gana do grupo Bestiario foi "corpo humano". O fato é que o "corpo humano" não é apenas um elemento temático. É, antes disso, um portal para o fantástico. Cruzá-lo é multiplicar o fascínio perturbador.


Following the Brazilian tradition according to which everything can (and should) be corrupted, the magazine Peek-a-boo was renamed Picabu. Actually, the magazine reached its fourth edition - after a hiatus of 17 years - keeping the Libertarian mold and loyalty by improvisation.

Flirting with the dualism between BODY and REALITY, the magic word chosen to awaken the hunger of the group was "human body". The fact is that the "human body" is not just a thematic element. But is rather a portal to the fantastic. Cross it is to multiply the fascination disturbing.


bestiario

Carlos Ferreira Moacir Martins Nik Neves Rafael Sica Fabiano Gummo Rodrigo Rosa Leandro Adriano

Passado

Abril 2009, Maio 2009, Junho 2009, Julho 2009, Agosto 2009, Setembro 2009, Dezembro 2009, Fevereiro 2010, Maio 2010, Julho 2010, Setembro 2010,

Comprar

  • e-MAIL